Fundada por Rudolf Steiner em 1919, em Estugarda, na Alemanha, inicialmente através de uma escola para os filhos dos operários da fábrica de cigarros Waldorf-Astória, a pedagogia Waldorf distinguiu-se desde o início por ideais e métodos pedagógicos até hoje considerados revolucionários. Actualmente existem mais de 1000 escolas em todo o Mundo que trabalham com a pedagogia de Waldorf. Apesar de terem nascido na Alemanha, estas escolas procuram incentivar e incorporar a cultura do país onde se encontram.
A pedagogia Waldorf valoriza a concepção e desenvolvimento do ser humano e aposta na liberdade de desenvolvimento das crianças, valorizando nos primeiros sete anos de vida o aspecto sensorial, em detrimento do intelectual. Ao longo da vida a criança passa por etapas com características e necessidades diferentes que são respeitadas, tal como a sua individualidade.
Actividades domésticas, artísticas e artesanais (onde se inclui modelar cera de abelhas, costurar panos coloridos, amassar e cozer pão, trabalhar com materiais naturais ou tratar da horta e do jardim), a vivência dos ritmos do ano pelas festas e pelo contacto real com a Natureza, contos de fadas que preenchem o imaginário e a criatividade, e muito movimento, preenchem o dia-a-dia da criança que assim se prepara para a entrada na escola e, mais tarde, na sociedade enquanto adulto activo e consciente.
Estas são actividades que, segundo a corrente pedagógica Waldorf, desenvolvem os sentidos das crianças, estimulam a imaginação, a vitalidade e a alegria de viver, apostando sempre numa maior ligação e respeito pela Natureza.
A pedagogia Waldorf tem uma forte abordagem multicultural, dando a cada criança mais autonomia, responsabilidade, consciência étnica e respeito pela diversidade. A formação Waldorf inclui as vertentes científica, artística e estética.
Reconhecida pela UNESCO, a pedagogia Waldorf é o maior movimento pedagógico independente do mundo.
Em Portugal, esta pedagogia foi introduzida em 1984 por Ana Abreu, fundadora do Jardim-de-Infância S. Jorge, em Alfragide.

Bibliografia:
“A Pedagogia Waldorf – Caminho para um ensino mais humano”, Rudolf Lanz, Antroposófica, 2009;
“A Questão Pedagógica como Questão Social”, Rudolf Steiner, Antroposófica, FEWB, 2009;
“O Homem no Limiar – o desafio do autodesenvolvimento”, Bernard Lievgoed, Antroposófica, 2006.